Portal Voz Amazônica

Com vacina própria, Cuba diz que também irá vacinar turistas

Cuba deverá produzir 100 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 ainda este ano e afirma que turistas que visitarem a Ilha também poderão ser imunizados

Turistas que viajarem a Cuba poderão tomar a vacina contra Covid-19, segundo Vicente Vérez Bencomo, diretor do Instituto Finlay de Vacunas (IFV), em Havana, que conduz pesquisas sobre imunizantes no país.

Em entrevista recente veiculada pela emissora TelesurTV, ele afirmou que a meta é vacinar toda a população local ainda em 2021 e que visitantes também terão direito “se quiserem“.

De acordo com Vérez, quatro vacinas estão sendo testadas na ilha em fase avançada, sendo a principal delas a Soberana 2. A previsão é de que 100 milhões de doses do imunizante sejam produzidas em 2021, cujo uso pode ser autorizado em março.

Os turistas terão a opção, se quiserem, de vacinar-se em Cuba também“, afirmou Vérez. “Se tudo sair bem, esse ano teremos toda a população cubana vacinada“, acrescentou.

Em vídeo promocional divulgado pela Telesur, a ilha promove o “turismo da vacina“, procurado por estrangeiros em todo o mundo. “Praias, Caribe, mojitos e vacinas, tudo em um só lugar“, diz a legenda. “Viajaria a Cuba para se vacinar?“, questiona a gravação ao final.

Autoridades cubanas anunciaram no último sábado (30) que os visitantes da ilha terão de ficar em quarentena até que tenham o diagnóstico negativo para a doença. O diretor de epidemiologia Francisco Durán disse que, a partir de 6 de fevereiro, os turistas serão mandados a hotéis para aguardar os resultados dos testes feitos na chegada ao país.

Com mais de 11 milhões de habitantes, Cuba registrou até o momento cerca de 29,5 mil casos de Covid-19 e 220 mortes em decorrência da doença, segundo dados da Universidade de Johns Hopkins, dos Estados Unidos.

Projetos de Cuba

Abdala, que leva o nome de um poema dramático do herói cubano José Martí, é um dos dois projetos do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Havana. A outra vacina é a Mambisa (nome dado às mulheres cubanas durante a luta pela independência no século XIX), ainda em fase 1 e a única das quatro que é administrada por meio de um spray nasal.

O Instituto Finlay de Vacinas (IFV) de Havana, por sua vez, está trabalhando em outros dois projetos: Soberana 1, que iniciará sua segunda fase de testes clínicos este mês, e Soberana 2, o mais avançado dos quatro, atualmente na fase 2B.

Capacidade de produção

O diretor do IFV, Vicente Vérez Bencomo, disse em 22 de janeiro que Cuba tem “capacidade para fabricar 100 milhões de doses” da Soberana 2 em 2021, e que o objetivo é lançar a campanha de imunização no primeiro semestre deste ano.

Cuba, com 11,2 milhões de habitantes, ultrapassou os mil infectados diários pela Covid-19 pela primeira vez neste domingo (31). No entanto, o país mantém uma baixa taxa de mortalidade desde o início da pandemia, em março, com um total de 216 mortes, entre 27.592 infecções.

Para conter a disseminação do coronavírus, as autoridades cubanas implementaram cerca de 50 medidas de prevenção em Havana e outras províncias desde 14 de janeiro, incluindo o fechamento de escolas, restaurantes, bares e praias, assim como a suspensão do transporte público à noite.

Neste fim de semana, foi anunciado que todas as pessoas que entrarem no país a partir de 6 de fevereiro deverão se isolar em hotéis ou centros de confinamento após passarem por um teste PCR no aeroporto.

Da Redação: Paulo Queiroz

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.