Portal Voz Amazônica

LAGARTIXA OU LARGATIXA. É OSGA!

Seu Tirilico é um sujeito de poucos estudos. Mas é esperto. Raciocínio rápido. Não leva desaforo para casa. Mas é uma simpatia. Como todo bem amazonense, adora jogar dominó. Estava conferindo  os pontos de jogada, quando, de repente, Chaguinhas pergunta:

– Tirilico, isso aí que passou correndo no chão é lagartixa ou largatixa? No que ele, rápido no gatilho, respondeu:

– Passou tão rápido que eu nem vi. Mas se tivesse visto, não seria nem uma coisa nem outra. Deve ser uma osga.

– Mas Tirilico, osga é lagartixa. Ou seria largatixa?

– Tem vários nomes. Em Recife é conhecida popularmente como víbora ou briba. Aqui em  Manaus a gente chama de  osga. É uma espécie exótica originária da África. Agora se é lagartixa ou largatixa, eu confesso que não sei.

Risada Geral. Foi então que Chaguinhas comentou:

– Vi na internet que tem uma espécie nova de osga na cidade. Elas  têm origem na Ásia. Mas dizem que vieram de Belém. Os nossos irmãos paraenses são benvindos. Mas que deixem as osgas asiáticas por lá. Elas são barulhentas, principalmente à noite. Cantam muito. Verdadeiro tormento.

A esposa de Chaguinhas informa que em seu condomínio há muitas delas. São barulhentas mesmo. Inclusive já foram identificadas em andares altos. Tirilico quis saber de Chaguinhas se elas eram mesmo paraenses.

Li que aqui no Brasil há presença delas em Salvador e em Belém. Como são cidades portuárias, como Manaus, tem grande fluxo de mercadorias por navios. E devem vir por  avião de carga também. Estão se espalhado pelo mundo. E vem cantando carimbó!  Vamos ver o que diz o professor Google, ouçam:

O biólogo Igor Kaefer, do INPA, informa que  essa espécie se prolifera de forma mais rápida. A fêmea não precisa do macho para procriar, conseguindo se reproduzir por clonagem. Ela se alimenta de insetos. É uma espécie mais corajosa também.

Apesar do barulho, ela é tranquila e vai continuar se alimentando apenas dos insetos presentes nas residências.  Segundo o biólogo do INPA a invasão dessas lagartixas, tanto a antiga, quanto essa espécie nova, não tem nenhum tipo de implicação para os seres humanos.

Só tem uma coisa. Explicou Tirilico. Tanto a antiga silenciosa quanto essa barulhenta do Pará. Não são  lagartixas nem largatixas. São osgas mesmo!

Da Redação:

Pedro Lucas Lindoso para o Portal Voz Amazônica e para a Rádio Cultural da Amazônia

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.