Portal Voz Amazônica

O SILÊNCIO NO IGAPÓ

A primeira vez que visitei as Anavilhanas foi em viagem de estudo. Cursava pós-graduação em Direito Ambiental promovido por convênio entre a Universidade Petrobras e a UEA – Universidade do Estado do Amazonas.

Era época da vazante. Havia praias. Os pássaros e outros animais endêmicos faziam festa nas diversas ilhas e ilhotas das Anavilhanas. Arquipélago fluvial dado de presente por Deus e pela mãe  natureza aos amazonenses e ao planeta.

Visitei recentemente Novo Airão. O rio ainda está cheio e sem praias. Ir até o arquipélago é sempre um privilégio. Contratamos uma rabeta. Nosso piloteiro chama-se Dijalma. Cruzamos o rio e avistamos a primeira grande ilha. Nos aproximamos de um minúsculo paraná. Havia uma garrafa pet branca como indicativo de sinalização. Dijalma me disse que os técnicos do ICMBio as colocam estrategicamente para não se perderem. Incrível. Mas ainda há contrabando de madeiras nas barbas dos fiscais.  Na calada da noite.

Dijalma prescinde daquelas  pequenas sinalizações. Conhece o arquipélago como ninguém. Desde muito jovem navega por lá. Para quem não conhece as Anavilhanas  um descuido pode ser fatal. É um verdadeiro labirinto de ilhas. Mais de 400. E claro, em muitos lugares não pega sinal de celular.

Eu tinha certeza que estávamos em boas mãos e em segurança. Entramos no pequeno igapó. Na época da vazante só se entra por aqui a pé. É uma trilha. Na cheia fica esse lindo igapó.

Lindo é pouco. Conhecia outros igapós. Bem mais largos. Mas aquele que Dijalma nos apresentava era especial. O reflexo da natureza nas águas era um show à parte. Confundia-se as imagens. O reflexo era tão perfeito que se misturava com o real.  Igapó é um termo oriundo do tupi  e significa “raízes d’água”.  Rios como o Negro que hospeda as Anavilhanas tem águas escuras. Explicam os cientistas que é  devido à presença de compostos orgânicos que se formam no interior dos igapós. Esse material se decompõe lenta e constantemente.

Nos  igapós a vegetação, geralmente, é baixa. Há  arbustos, cipós e musgos. Mas esse igapó que visitávamos, como disse, só existe na cheia. E tem muitas árvores. Tauaris e bacabas. Buritis e angicos. Arbustos como bromélias e begônias.

Nosso guia desligou a rabeta. E foi aí que podemos ouvir o silêncio  daquele igapó. Silêncio tão conhecido do poeta Thiago de Mello, que nos convida sempre:  “vem escutar os cânticos noturnos / no mágico silêncio do igapó / coberto por estrelas de esmeralda”

Não era noite. O sol refletia a natureza. Mas sim, aquele silêncio que escutávamos era tão mágico quanto o descrito pelo poeta. Quem ouve o silêncio de um igapó não precisa ouvir estrelas.

Da Redação:

Pedro Lucas Lindoso para o Portal Voz Amazônica e para a Rádio Cultural da Amazônia

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.